Sobre o empreendedorismo, as crises e a pandemia no Brasil.

E agora?
Como vai ser?
Todos nós sabemos que nesses últimos anos o Brasil vive uma crise política e econômica, e que agora toda essa situação se agrava bastante com a chegada da Pandemia COVID-19. E por qual motivo esse agravamento?
Vou apresentar um cenário de previsão minimalista só para tentarmos fazer uma projeção sem muitos alardes. Vamos viver esses próximos 15 dias de atividades locais produtivas e comerciais quase que paralisadas, algumas (poucas) continuam, mas a grande maioria gira em menos de 50% do seu potencial de produção e de comercialização.
Para entendermos melhor, podemos pensar no comércio de nosso bairro. Quem são os pequenos empresários do nosso bairro? Os empreendedores? Os artesãos, autônomos, profissionais liberais, culturais etc. Quem são essas pessoas?
Essas pessoas são, incluindo você, as que fazem a economia do seu bairro girar. São essas pessoas que vendem e consomem produtos e serviços.
Quando, por algum motivo, essas pessoas (físicas ou jurídicas) são impossibilitadas de continuar a girar, o ciclo econômico é interrompido e o local começa a viver uma retração econômica. Isso quer dizer que: se essa situação perdurar por algum tempo (dias, semanas ou meses) o local entra em recessão. Aqui nesse texto estamos falando de um bairro, mas essa mesma situação pode acontecer no município, estado ou país, e a estes últimos ainda se somam alguns outros fatores que contribuem ainda mais com o cenário de precarização: a queda na arrecadação, baixa nas bolsas mundiais, alta do dólar e a consequente elevação dos preços de combustíveis e gás de cozinha, são alguns exemplos.
Parte da solução para a crise econômica já há algum tempo, é tida no mundo globalizado como o investimento em inovação e a valorização do empreendedorismo.
Sabemos que o desemprego aumentou muito após 2015 e que o principal termômetro de crise é a taxa de desocupação de um determinado lugar. Então, a saída que essa parcela da sociedade teve foi empreender, e empreender não por vocação ou por talento, mas, por imposição econômica e por muita necessidade. O dito “empreendedor brasileiro” hoje é, em sua grande maioria, o Microempreendedor Individual (MEI), os pequenos empresários e os outros tantos que já falamos no início do texto. Essa realidade nos coloca de frente também com a situação educacional do país, e assim digo a vocês que os nossos tantos empreendedores não possuem qualificação técnica, formação, entendimento sobre contabilidade, educação financeira, administração e além disso, pouquíssimo capital de giro e capital reserva.
Fiz toda essa introdução para embasar um pouco mais a nossa previsão.
O que nos faz publicar esse texto é, antes de tudo, evidenciar o quanto os mais pobres, os autônomos, os trabalhadores informais, serão os mais prejudicados com tudo isso e fazer nossa parte quanto ser social para minimizar os riscos e ajuda-los a girar economicamente nesse período de recessão que se aproxima.
Os pequenos empreendedores, pequenos comerciantes e colaboradores não tem como sustentar o seu negócio por 15 dias (imagina 90 dias como os especialistas estão prevendo) sem giro econômico, também não tem acesso as linhas de crédito bancário e não possuem reserva financeira. Sendo assim, vão ser obrigados a demitir os poucos funcionários que tem, contrair dívidas e muito provavelmente “quebrar”.
Não será nada fácil! Mas nós sabemos que as crises são ótimas oportunidades de mudança e aprendizado, não e mesmo?
Estamos aqui com o propósito de tentar ajudar vocês pequenos empreendedores, pequenos comerciantes, pequenos empresários, autônomos e estudantes que possuam projetos empresariais nos vários seguimentos, oferecendo consultoria de gestão online e gratuita. Estaremos aproveitando esse tempo de quarentena para ajudar aos que, assim como nós, serão os mais afetados com toda essa crise e com a recessão que está por vir.
E como essa consultoria se dará?
Bom, essa consultoria será para quem precisa! E entre os que precisam estão os pequenos: empresários, empreendedores, produtores culturais locais, comerciantes e estudantes que possuam projetos empresariais.
Via e-mail contato@katalysis.org.br receberemos os dados como:
• Nome
• Telefone
• E-mail do consultante
• E um breve relato da sua dúvida e/ou do seu problema
Após receber seu e-mail, entraremos em contato para darmos início a consultoria.
A metodologia que utilizaremos são as mesmas utilizadas na Gestão de Risco e Gestão de Crise. Hoje em dia essas metodologias são muito utilizadas na Administração Pública e nas grandes Empresas Privadas para identificação dos riscos, gerenciamento de crises, e a consequente antecipação aos fatos.
Se interessou? Entre em contato!

Até mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *